7 de Outubro de 2010 – Obras de Misericórdia

Conhecer as Obras de Misericórdia é um passo natural no percurso da catequese ou da aprendizagem da doutrina social da Igreja. São sete temporais e sete espirituais. A saber: Dar de comer a quem tem fome; Dar de beber a quem tem sede; Vestir os nus; Dar pousada aos peregrinos; Assistir os enfermos; Visitar os presos; Cuidar dos que partem pela morte (temporais). Dar bom conselho; Ensinar os ignorantes; Corrigir os que erram; Consolar os tristes; Perdoar as injúrias; Sofrer com paciência as fraquezas do nosso próximo; Rogar a Deus por todos os necessitados, tanto vivos como já passados para além do véu da morte (espirituais). Bem lidas estas coisas, está aqui resumida a boa conduta social, à luz do catolicismo como da maioria das convenções da maioria das sociedades civilizadas. Sucede que, hoje, aparece no «Jornal de Notícias» uma notícia que surpreende. As Misericórdias não querem ter de obedecer aos bispos da diocese a que pertencem e, em consequência, a um decreto do Papa que sugere isso mesmo. Querem ter total independência na gestão do seu património (o que já acontece, daí não se perceber a crispação). A notícia pode ser lida aqui, e levanta muitas questões quando às motivações de quem gere estas instituições que, vai dizendo o povo, vão ficando cada vez menos misericordiosas e cada vez mais ricas em património. Estamos a falar de 400 instituições, duas dezenas de hospitais, mais de 400 lares, 500 serviços de apoio domiciliário, museus, terrenos e prédios vários. Seria bom que Misericórdias e Igreja não se desunissem, sob pena de, a pouco e pouco, a credibilidade destas instituições se deteriorar irremediavelmente.

2 thoughts on “7 de Outubro de 2010 – Obras de Misericórdia

  1. Todo o trabalho que for feito por bem e para o Bem,será sempre válido.Cabe a cada um aprender e depois fazer a sua parte…teremos um mundo seguramente melhor…

Responder a Natércia Teixeira Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *