23 de Março de 2010 – Alice no País das Maravilhas

A experiência de ver «Alice no País das Maravilhas» em 3D é muito interessante. Mais interessante se torna quando o «anfitrião» é Tim Burton. Mais interessante, ainda, quando a companhia é a melhor que se pode desejar. A entrada no País das Maravilhas é feita pela mão de Tim Burton, ao seu melhor (e habitual) estilo. Com muita fantasia, cor e movimento, mas com muita substância subliminar. Esta Alice resume as duas obras complementares de Lewis Caroll («Alice no País das Maravilhas» e «Alice do outro lado do espelho»), e mostra-nos uma viagem fantasiosa pelo caminho da maturidade, o eterno conflito/convivência com o nosso interior, com os nossos medos, com o nosso subconsciente, com «o outro lado do espelho», que muitas vezes reprimimos, pela conveniência social ou para criarmos falsos equilíbrios. A viagem vale a pena. E, porque não, fazer, a partir daqui, uma viagem mais longa, pela filmografia de Tim Burton.

3 thoughts on “23 de Março de 2010 – Alice no País das Maravilhas

  1. “Mais interessante, ainda, quando a companhia é a melhor que se pode desejar. ” É a única frase a reter em tudo o que escreveste. Não, não te vou fazer qualquer pergunta em relação a isso.

  2. Pingback: Tweets that mention 23 de Março de 2010 – Alice no País das Maravilhas -- Topsy.com

  3. Caro,

    não preciso de fazer uma viagem ais longa pela filmografia do Tim porque já a devoro religiosamente à muitos anos. Posso confessar-te apenas que ainda não vi esse filme e vou tentar corrigir essa falha ainda hoje.
    De qualquer das formas, a avaliar pela amostra que vi e pelos filmes vindos dessa mesma mente, julgo que me espera uma Alice não ao estilo da Anita no país das maravilhas mas sim um Stephen King no país das maravilhas…

Responder a f Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *