8 de Agosto de 2009 – Bartolomeu de Gusmão, o «Padre Voador» da «Passarola»

bartolomeu-gusmaoQuem leu o «Memorial do Convento» de Saramago não pôde deixar de se apaixonar pela personagem do padre Bartolomeu de Gusmão. Verdadeiramente fascinado e fascinante com os seus planos da «Passarola», ele tem o condão de nos embrenhar na história tecida por Saramago. Romanceada ou não, a personagem tem muito de verdadeiro, a acreditar no que se pode conhecer das investigações históricas feitas. Há, por estes dias, vários textos nos jornais e nas revistas, em que o «Padre Voador» é recordado, de como a sua concepção de geoestratégia, associando o transporte marítimo ao aéreo, era altamente avançada para a época, de como os seus inventos eram arrojados e funcionais, de como «fintou» a Inquisição, que sistematicamente o acusou de heresias e judaísmos. Mesmo sem voar, os seus «voos» furtivos já seriam suficientemente arrojados. Por estes dias, todos se lembram dele, e o convite para ler o «Memorial» não seria, de todo, descabido.

«Já não se sentou o padre Bartolomeu Lourenço, devagar aproximou-se da beira do rio, com Baltasar atrás, e ali, estando a um lado uma barca a descarregar palha em grandes panais que os mariolas transportavam às costas correndo equilibrados sobre a prancha, e a outro lado chegando-se duas escravas pretas a despejar para a água os calhandros de seus amos, o mijo e a merda do dia ou da semana, entre o natural cheiro da palha e o cheiro natural do excremento, disse o padre, Tenho sido a risada da corte e dos poetas, um deles, Tomás Pinto Brandão, chamou ao meu invento coisa de vento que se há-de acabar cedo, se não fosse a protecção de el-rei não sei o que seria de mim, mas el-rei acreditou na minha máquina e tem consentido que, na quinta do duque de Aveiro, a S. Sebastião da Pedreira, eu faça os meus experimentos, enfim já me deixam respirar um pouco os maldizentes, que chegaram ao ponto de desejar que eu partisse as pernas quando me lançasse do castelo, sendo certo que nunca eu tal coisa prometera, e que a minha arte tinha mais que ver com a jurisdição do Santo Ofício que com a geometria, Padre Bartolomeu Lourenço, eu destas coisas não entendo, fui homem do campo, soldado deixei de ser, e não creio que alguém possa voar sem lhe terem nascido asas, quem o contrário disser, entende tanto disso como de lagares de azeite, Esse gancho que tens no braço não o inventaste tu, foi preciso que alguém tivesse a necessidade e a ideia, que sem aquela esta não ocorre, juntasse o couro e o ferro, e também estes navios que vês no rio, houve um tempo em que não tiveram velas, e outro tempo foi o da invenção dos remos, outro o do leme, e, assim como o homem, bicho da terra, se fez marinheiro por necessidade, por necessidade se fará voador, Quem põe velas num barco está na água e na água fica, voar é sair da terra para o ar, onde não há chão que nos ampare os pés, Faremos como as aves, que tanto estão no céu como pousam na terra, Então foi por querer voar que conheceu a mãe de Blimunda, por ser de artes subtis, Ouvi dizer que ela tinha visões de ver pessoas voando com asas de pano, é certo que visões não falta por aí quem diga tê-las, mas havia tal verosimilhança no que me contavam, que discretamente a fui visitar um dia, e depois ganhei-lhe amizade, E chegou a saber o que queria, Não, não cheguei, compreendi que o saber dela, se realmente o tinha, era outro saber, e que eu deveria perseverar contra a minha própria ignorância, sem ajudas, prouvera não me engane, Parece-me que estão na verdade aqueles que disseram que essa arte de voar se entendia mais com o Santo Ofício que com a geometria, se eu estivesse no vosso caso dobraria de cautelas, olhai que cárcere, degredo e fogueira costumam ser a paga desses excessos, mas disto sabe um padre mais do que um soldado, Tenho cuidado e não me faltam protecções, Lá virá o dia».

(José Saramago, «Memorial do Convento»)

1 thought on “8 de Agosto de 2009 – Bartolomeu de Gusmão, o «Padre Voador» da «Passarola»

Responder a Jacinta Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *