4 de Julho de 2011 – Nobre, mas pouco

Fernando Nobre ficará, certamente, para a história mediática nacional como um dos exemplos da pior utilização possível dos «15 minutos de fama». Fernando Nobre, enquanto cabeça de lista, obteve uma larga vitória no distrito de Lisboa, onde o PSD há algum tempo não conseguia ganhar. Tinha, portanto, recebido um amplo e efectivo mandato, por parte dos eleitores, para que os representasse, enquanto personalidade independente, eticamente correcta e exemplo de cidadania. Acontece que, hoje, Fernando Nobre resolveu deitar tudo isso borda fora, descredibilizando quem ainda acreditava que era possível aproximar os independentes e os «cidadãos livres» da política, despartidarizando-a. Com os seus «ziguezagues» e intervenções quase inflamadamente loucas, durante a campanha eleitoral para as presidenciais, e com a sua posterior aproximação ao PSD, o cenário já não parecia animador. Hoje, Fernando demonstrou ser pouco nobre, e acabou por se descredibilizar, ao atirar para o lixo os votos de confiança de pelos menos 398.789 eleitores, que em si confiaram.

1 thought on “4 de Julho de 2011 – Nobre, mas pouco

  1. Ora aí está!!

    O pior exemplo que se podia dar.

    Tanto de quem o fez, como de quem o permitiu.

    eu tenho razão!

    os políticos vão mudar! Sim, uns vão mudar, outros mudar-se-ão!

    É irrversível…

    um abraço
    inquieto

Responder a inquieto Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *